Vamos à FEIRA em Dusseldorf     


Vamos à FEIRA  em Dusseldorf

Fim de mais uma edição da ProWein 2016, uma das maiores feiras de vinhos e destilados da Europa. São nove pavilhões divididos por vários países – ou grupos deles – caso dos Overseas, que engloba Brasil, Argentina, Canadá, Chile, China, Estados Unidos, Bolívia, Uruguai e Nova Zelândia.

A ProWein completou 22 anos de existência. No inicio em 1994 a mesma denominava-se ProVins. A feira divide com outra conhecida , esta porém na Itália – a Vinitaly em abril, realizada no complexo da Verona Fiere,em Verona.

A ProWein completou 22 anos de existência. No inicio em 1994 a mesma denominava-se ProVins. A feira divide com outra conhecida , esta porém na Itália – a Vinitaly em abril, realizada no complexo da Verona Fiere,em Verona.

img_PRO1

 

A um custo de 15 a 70 euros, dependendo da intenção da visita, a organização germânica é notável, seguindo o manual da eficiência e do respeito aos expositores e público frequentador. Com 22 anos de existência, a ProWein é bem profissional. No inicio, em 1994, denominava-se ProVins. Hoje, é reconhecida pela modernidade de Dusseldorf. E divide-se com outra feira bem conhecida, a Vinitaly, que acontece em abril, na Itália. Realizada no complexo da Verona Fiere, em Verona, é mais festiva, praticamente uma “bagunça” organizada dentro da cidade histórica, o que a diferencia da ProWein, que hoje conta com um número de participantes 15 vezes maior que a manifestação inicial – e um público 30 vezes maior, sendo 84% dos expositores estrangeiros e 46% visitantes.

Nesta edição, porém, a feira pareceu um pouco mais fraca em questão de público. Contudo, sua importância é inegável. Como dado adicional, em 2015, por exemplo, foram credenciados 941 jornalistas de 39 países diferentes. E o nível de satisfação bateu 97% entre o público pesquisado.
A ProWein dura 3 dias das 10 às 19hs. E depois de um exaustivo dia de encontros de negócios, um bom jantar cai bem, certo? Recomendo então o Lido (Am Handelshafen 15), um restaurante de arquitetura própria e localizado dentro de um canal em uma requintada zona de escritórios perto do Hotel Hyatt. Lugar de vista única, com boa comida, bom preparo e toque moderno. Só o serviço é um pouco lento, mas possui uma ótima carta de vinhos e drinks.

Lembrando que o evento Pro Wein tem vantagem de ser uma exposição internacional de bebidas – inclusive águas – voltada para os negócios e para a divulgação de outros países produtores de vinho, ainda estranhos no nosso roteiro, como a Armênia, a República Tcheca, a Bósnia–Herzegowina, a Romênia e a Polônia.

A minha participação neste evento teve muito da Itália, em particular o stand onde estavam os produtores da Franciacorta, minha base de contatos. Sobre esta região em que produzem um dos melhores espumantes italianos, le bollicine como assim são chamados (borbulhinhas), começa a despontar no cenário internacional. Ainda que de modo tímido, mas com passos firmes se posicionam como grandes entre os históricos concorrentes da França, ou sejam, Champagnes! A Franciacorta tem 320 Km² na Provincia di Brescia, no Norte da Itália, perto do Lago Iseo e do Rio Oglio. São terrenos de colinas , aluvião e calcário. A brisa fresca que desce da Pré-Alpes tem uma boa relação térmica e insolação criando condições saudáveis para obter os vinhos base que favorecem a refermentação em garrafa, segundo método clássico.

Trata-se de um território jovem e específico, onde os resultados já podem ser conferidos. Franciacorta é o primeiro vinho espumante italiano método clássico a obter em 1995 a denominação DOCG. Portanto, os produtores enfatizam que o Franciacorta é uma terroir de um método de um vinho único: Franciacorta.
Entre os produtores, destaco um em particular: a Antica Fratta, vinícola localizada em Fratta di Monticelli Brusati. Já nos idos de 1800, através do Cavaleiro da Gran Cruz Luigi Rossetti , a propriedade era vista como uma das mais importantes e belas da região. O tempo passou e com o desaparecimento de Luigi Rossetti, entrou em decadência. A fase terminou e ressurgiu em 1979, com o nascimento da Antica Fratta e o empenho em se retomar o antigo esplendor.
As atuais instalações são elegantes e exclusivas. Os detalhes fazem a diferença já do seu packaging, com produção limitada à imagem do produto, cuidadosamente tratada. A premissa é que o vinho é fruto da paixão, da fantasia: uma obra de arte para viver. Vinho é um instrumento da vida que traz satisfação e prazer no seu beber… Sem abusar, é claro!

SUA LINHA SE COMPÕE:
Quintessence, Riserva Extra Brut com mínimo de 60 meses em contato com leveduras.
Essence Nature, assemblage de Chardonnay e Pinot Noir, de fragrância limpa e rigorosa sem adição do Liqueur d’ expédition.

Essence Satén, o mais Franciacorta dos Franciacortas. Notas de frutas exóticas, somente da uva Chardonnay , obtendo uma efervescência mais delicada com respeito a outras tipologias.

Essence Brut, essência do Chardonnay com as me-lhores porções, enriquecidas com Pinot Noir vinificado em branco. Elegantíssimo aperitivo, eclético. Ótimo para um break dentro de um frenético dia.

Essence Rosé, este é o futuro em que o prazer e beber encontram complexidade e estrutura. Uma refinada e tenuê cor rosada pré anuncia perfumes de “sottobosco” (folhagem do solo de bosque) e um composto de frutas com 36 meses de afinamento sobre as leveduras.

Brut, elegantemente fresco e vivo com aromas floreais e de frutas. De Chardonnay e Pinot Noir com 24 meses ou mais sobre leveduras, indicado para harmonizar com pratos delicados a base de pescado e carnes brancas.

No Brasil, este tipo de vinho ainda caminha a passos lentos. Contudo é questão de tempo, pois se trata de um metódo clássico de boa estirpe e com preços melhores que um Champagne. No meu entender, é mais leve sem perder a complexidade.

Trabalhando neste sentido, Antica Fratta estará entre nós em breve. Possivelmente em maio de 2016, através da importadora Europa, no Rio de Janeiro . É um esforço para alargar o conhecimento e a experimentação deste “bollicine” extremamente bem feito e alegre. E é um top da região que merece ser apreciado, migrando para algo novo cheio de história, tradição e ótimo para celebrar!

 

Bruno Airaghi é italiano e ex executivo de marketing em empresas como: Abril, Kodak, Heublein (Diageo), Interfood Import.
Enófilo com cursos e viagens em vínicolas e feiras internacionais.
Hoje consultor/instrutor na área da enogastronomia para médias e pequenas empresas.

Site : www.awines.com.br